11/06/2015
Gleisi Hoffmann: Como assim, apenas R$ 11 bilhões?
Gleisi Hoffmann, senadora pelo PT Paraná
A presidente Dilma anunciou, na última terça-feira, mais um programa de investimentos em infraestrutura, através de concessões e parcerias com a iniciativa privada. Os projetos juntos, distribuídos pelo país, somam quase R$ 200 bilhões.

Segundo a manchete do caderno Economia da Gazeta do Povo, o “Programa de concessões prevê apenas R$ 11 bilhões ao Paraná”. Como assim, “apenas R$ 11 bilhões”? Se levarmos em conta critérios como população, PIB, extensão territorial e que 20 dos 27 estados foram contemplados, veremos que esse montante é considerável, não podendo em qualquer hipótese ser noticiado como desapreço pelo nosso estado. E isso que ainda não estamos considerando outros programas estruturantes como os investimentos do PAC, obras na educação, saúde, construção de casas com o programa Minha Casa Minha Vida.

Poderíamos fazer uma comparação com outra matéria publicada pela Gazeta, no dia 6 de junho, mostrando que em 2015 “Em 4 meses, governo do Paraná gasta apenas R$ 70,4 milhões com obras”. Esse desempenho pífio reflete o estado falimentar em que se encontra o tesouro estadual.

Mesmo com aumentos de impostos e a espoliação efetuada contra a Paranaprevidência, o estado ainda deve R$ 928 milhões para fornecedores. Essas contas são do primeiro mandato do atual governo e mostram que ainda vai demorar para o Paraná recuperar a capacidade de fazer investimentos significativos.

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná, Edson Campagnolo, revela sua “expectativa que a ferrovia que liga Maracaju ao Litoral entrasse”. Já tentamos isso, mas essa ferrovia é concedida ao estado do Paraná e qualquer decisão a respeito deve envolver o governo estadual, que não fez qualquer articulação para o programa federal. Aliás, o secretário de Fazenda manifestou interesse em privatizar a Ferroeste, como mostrou Euclides Garcia em sua coluna de 7 de junho. Não conheço a opinião de Campagnolo sobre essa possível privatização. Mas ele sabe que a modernização do trecho do Litoral está dependendo de um estudo de viabilidade a ser elaborado pela UFPR.

Outra opinião colhida pela Gazeta foi a de Nilson Camargo, especialista em logística da Federação da Agricultura, que defendeu a inclusão de rodovias, entre elas o trecho da BR-163 que vai de Santa Teresa do Oeste até Realeza. É importante ratificar, face a já publicada informação, que este trecho consta no PAC e que já houve licitação para realizar a obra, faltando apenas a ordem de serviço.

Finalizando, uma pergunta que não posso deixar de fazer: quanto o Paraná solicitou que fosse incluído no programa? Está muito claro que o governo do estado não fez qualquer movimento para defender esta ou aquela obra. Sejamos francos, estamos sem liderança no estado. Vontade nunca houve, mas o governo já possuiu todas as condições para liderar e exigir nessas questões.

Beto Richa desarrumou as finanças do Paraná e vai demorar para conseguir arrumar. Ele podia tentar articular com o governo federal, como fazem outros governadores, inclusive tucanos como Marconi Perilo e Geraldo Alckmin, mas optou por aumentar a distância, cortar qualquer possibilidade de diálogo e novamente culpar todos, como sempre fez.
Gleisi Hoffmann é senadora pelo Paraná.

19/10/2016
Governo precisa retirar emenda que suspende reposição salarial
Por: Assessoria deputado Tadeu Veneri
24/11/2015
Tadeu Veneri: O Paraná exige transparência nos negócios públicos
Por: Tadeu Veneri, deputado estadual pelo PT, é líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa.
03/11/2015
Enio Verri: Paraná é o tubo de ensaio das maldades de Beto Richa
Por: Enio Verri - deputado federal pelo PT Paraná
15/09/2015
Contra a lógica, por Enio Verri
Por: Enio Verri - deputado federal pelo PT Paraná
Portal Liderança do Partido dos Trabalhadores da Assembleia Legislativa do Paraná
Praça Nossa Senhora Salete s/n, Curitiba - PR - CEP: 80530-911
Telefone: (41) 3350-4157 / 3350-4396